Fechar

Notícia
Ver todas as notícias

Circuito Boi Verde chega a sua sexta edição.

Com aproximadamente 100 mil habitantes e uma economia baseada na pecuária de corte, produção e industrialização de soja, milho e cana de açúcar, Tangará da Serra , no Mato Grosso sediou mais uma etapa do Circuito Boi Verde de Julgamentos de Carcaças, promovido pela Nelore do Brasil em parceria com o Marfrig Grou.

Foram julgados e abatidos 453 animais de 10 pecuaristas, sendo 82,78% dos animais com idade até 4 dentes (ate 30 meses); 70,64% com acabamento de gordura mediana e uniforme e  73,07% com peso de 17 a 21@. O lote campeão teve 71,1% dos animais com ate 2 dentes (até 24 meses), 91,1% com acabamento mediano e uniforme e 70% com peso entre 17 à 21 @. O primeiro colocado dessa etapa foi o pecuarista João Alberto Moratelli que participou com 90 animais, da Fazenda Tupancy II, em Sapezal – MT.
 
Foram três dias de muitas estradas, fazendas, poeira, calor e claro, o boi Nelore Natural criado a pasto , no capim, resultando em uma carne de alta qualidade;  No primeiro dia os zootecnistas e jurados desta sexta etapa,  Guilherme Alves e Ricardo Marquardt, fizeram a apartação do gado na Fazenda COPRODIA, no município de Campo Novo do Parecis , em Mato Grosso, a uma hora e meia de Tangará da Serra.  No segundo dia, foi a vez da Fazenda São Geraldo , do Sr. Geraldo Piovesan, no município de Nova Marilândia, receber os zootecnistas da Nelore para mais uma manhã de apartação, e após algumas horas de avaliação, conversa, ideias trocadas e lotes escolhidos chega o terceiro  e último dia desta etapa, com quase 500 cabeças abatidas para o Julgamento das Carcaças, que aconteceu na planta do Marfrig de Tangará da Serra;
 
No terceiro e última dia as carcaças são julgadas e muitos pecuaristas participantes do Circuito Boi Verde,  acompanham de perto e ressaltam a importância do Programa de Qualidade Nelore Natural - PQNN,  pois após experiências trocadas muitos começam a entender a importância de se calcular o custo da sua arroba, porque ainda é uma questão polêmica e delicada o quanto o frigorífico vai pagar pela arroba do boi do pecuarista, que reclama que o preço pago é baixo, mas por outro lado não calcula seu custo real para produção da sua carne/@.
 
Custos de produção e conhecimento são os destaques desta sexta edição;
 
Os programas da Associação dos Criadores de Nelore do Brasil mostram que tudo é uma questão de cálculo, e esse é o caso e o exemplo do Sr. José Carlos de Andrade Campos, da Fazenda Boa Esperança,  do município de Salto do Céu, que só começou a calcular o custo de produção da sua arroba após sua participação no PQNN;   e  conta que "além de receber um prêmio maior, o conhecimento sobre gestão pecuária é o que realmente faz a diferença para o criador", que completa: "99% dos pecuaristas ainda não sabem calcular o custo da sua arroba, porque os preços dos insumos, sal  e herbicidas oscilam muito, e aí complica a conta do produtor ", outra dificuldade apontada para esse cálculo é a perda quase imensurável na estrada, porque "a estrada é um dos itens que mais dão prejuízos para o pecuarista, porque as condições de infraestrutura são péssimas".  E infraestrutura  é uma questão antiga que o Governo Federal precisa urgentemente olhar , afinal o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) da agropecuária no segundo trimestre de 2012 subiu quase 5% (4,9%) , quando comparado com os três primeiros meses do ano, o que aponta que o setor tem contribuído para o crescimento do País, dentro de um cenário de crise, que tem afetado o desempenho de outros setores da economia brasileira;
 
Com o PIB agrícola superando o produto interno brasileiro, o momento para o mercado interno de carnes é favorável, tanto para a indústria, como para o pecuarista; Somente nas últimas duas semanas, a arroba do boi chegou a ser cotada acima de R$100,00  no mercado futuro da bolsa brasileira, no entanto, o homem do campo sofre e ainda não sabe quanto custa produzir uma arroba, o Sr. Geraldo, que participa pela primeira vez do Circuito Boi Verde, quer dimensionar seus custos com intuito de mapear e melhorar a qualidade dos seus animais;  
 
Para quem calcula o custo as vantagens são claras, o pecuarista Paulo Carvalho da Arca Agropecuária, de Tangará da Serra - MT, participante do Circuito Boi Verde e Programa de Qualidade Nelore Natural, explica: " o custo vai depender muito do desempenho do animal, pode variar de 88@ colocado num desempenho fraco a 75@ colocada em um desempenho bom, considerando milho a R$360,00 a tonelada e o caroço" , que dá a dica para o sobe e desce dos preços dos insumos " Compra antecipada,uso alternativo de sorgo ou milheto e ajustes na dieta." Mas não é só de cálculos que se produz um arroba de qualidade.  
 
É preciso investir em manejo , nutrição e genética e Paulo Carvalho, da Arca, conta a sua receita "investimos em nutrição como sal proteinado na seca para animais mais sentidos e a reposição e creep. para lotes de primiparas,  No gado P.O buscamos produzir os próprios touros para atender nossa própria demanda, hoje fazemos praticamente 100% do gado com Inseminação Artificial por Tempo Fixo - IATF. procuramos selecionar animais com precocidade e acabamento de carcaça"
 
Portanto, mesmo com as recentes altas o preço dos insumos, crise financeira internacional, dólar oscilando , é possível ter lucro com carne de qualidade, pois o pecuarista que investe em manejo, genética e nutrição está sempre em vantagem quando o assunto é o valor da sua arroba; pois os preços pagos ao produtor são mais vantajosos em programas como o Programa de Qualidade Nelore Natural, por valorizar e premiar criadores que investem na evolução da raça.
 
O conhecimento é parte fundamental para o aumento da rentabilidade explica o estudante de medicina veterinária, Augusto Felipe dos Santos Ferreira, de Volta Redonda-RJ,aluno da Universidade do Boi e da Carne que participou desta etapa e afirma que o PQNN lhe trouxe uma visão completa sobre a cadeia produtiva da carne.
 
Segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada CEPEA/USP entre 2000 e 2011, o saldo da balança comercial do agronegócio brasileiro mais do que quintuplicou, alcançando US$ 77,471 bilhões. Enquanto isso, os demais setores da economia brasileira vêm apresentando sucessivos e crescentes déficits na balança comercial. Graças ao agronegócio, a balança comercial total do Brasil mantém-se superavitária, estando, em 2011, em US$ 30 bilhões. Com isso, o País acumulou reservas internacionais acima de US$ 300 bilhões nesse período.
 
Circuito Boi Verde em números
O sucesso do Circuito Boi Verde de Julgamento de Carcaças pode ser demonstrado em números, pois já foram realizados 132 abates em 11 Estados (SP, MS, PR, MG, RO, GO, MT, ES, AC, TO e PA) além da etapa internacional do Paraguai, registrando um total de 82.636 animais avaliados.
 
Em 2012 já foram realizadas 6 etapas, em 5 estados (ES, MS, MT, RO e PA), e uma etapa internacional no Paraguai, com 4.832 animais avaliados.
 
Sobre Tangará da Serra:  Inspirados pelo canto macio, cheio, vivo e sonoro do pássaro Tangará ( uma das aves brasileiras mais famosas) foi que os primeiros visitantes da região aliaram o nome do gracioso pássaro à majestosa Serra de Itapirapuã e batizaram a localidade como Tangará da Serra.
O principal setor econômico do município é a agropecuária.
 
A Unidade do Marfrig de Tangará da Serra abate hoje 1.100 bovinos/dia, com capacidade instalada de 1.500 cabeças/dia, abastecendo, também o comércio exterior. 
 
Para participar do Circuito Boi Verde, Programa Nelore Natural e Universidade do Boi e da Carne acesse: nelore.org.br ou ligue para 11 3293 8900;
 
Classificação - Tangará da Serra - MT 
 
JOAO ALBERTO MORATELLI
DEONISIO JORGE ANDRZEJEWSKI
ENIO DALTARO AMARAL ROLIM
ARCA S/A AGROPECUARIA 
GERALDO PIOVEZAN
LUIS CARLOS LORO
JOÃO SILVESTRE NETO
JOÃO SILVESTRE NETO
AGOSTINHO SANSAO
10º ANTONIO SIMAO PERAZOLO


Fonte: Da Redação
Data: 11/09/2012 17:40



Compartilhe: Twitter Facebook



Comente